As cruzes das Religiões e das Ideologias,
das Superstições, dos Sortilégios e contos da Magia,
ou das contas de somar e multiplicar do Horror Económico,
não têm nada, absolutamente nada a ver com a cruz de Cristo
que foi uma máquina de matar que tirou a vida
ao Príncipe da Vida que a deu
até morrer de amar!

Sobre a Cruz
o Cristo Jesus derrubou
o Muro do Ódio e todos os muros
e muralhas, desde os muros das quintas
e quintais até às fronteiras que separam as pessoas
e as nações, até ao Muro do Islão e ao Muro de Berlim,
todos as muralhas e muros da Vergonha onde os cães de guarda
mostram os dentes a ladram a quem ousa aproximar-se
na procura de paz, de liberdade, de trabalho e de pão.

Sobre a Cruz
o Cristo Jesus rasgou
o decreto da nossa Condenação,
a Lei, dura lex, com as suas proibições
e obrigações, que nos condenavam à Morte
e fechavam o Coração ao amor e à liberdade
da Graça que nos justifica a Vida.


Leonel Oliveira
Introdução à celebração de 6.ª Feira Maior | 2009

Imagem: “O Cristo Amarelo” [1889] | Gauguin